Tempo
|

“Muçulmanos traumatizados e fartos” de tanta violência

07 jan, 2015 • Aura Miguel

Reitor da mesquita de Bordéus reage ao ataque contra o jornal “Charlie Hebdo”, apelando à comunidade muçulmana para se manifestar contra a “apropriação do Islão” por “criminosos e loucos”.

“Muçulmanos traumatizados e fartos” de tanta violência
O reitor da mesquita de Bordéus condenou o ataque desta quarta-feira ao jornal satírico “Charlie Hebdo”. Tareq Oubrou não poupou nas palavras e afirmou que os muçulmanos estão “fartos” de tanta violência.

Por coincidência, o Papa Francisco saudou esta manhã quatro imãs franceses que participaram na audiência geral, no Vaticano. No final, ao tomarem conhecimento da notícia do atentado, os líderes muçulmanos condenaram o acto.

O reitor da mesquita de Bordéus, Tareq Oubrou, disse a um grupo de jornalistas franceses que “os muçulmanos estão traumatizados e fartos” de tantos actos de violência por parte de radicais e que “a comunidade muçulmana devia manifestar-se em massa, nas ruas, para exprimir o seu desgosto face a esta apropriação do Islão por parte de criminosos.”

O tiroteio provocou 12 mortos e oito feridos, quatro em estado grave.

Até ao momento, o ataque não foi reivindicado, mas, ao que tudo indica, terá sido uma retaliação de extremistas islâmicos pela publicação há alguns anos de caricaturas de Maomé pelo jornal satírico. Segundo testemunhas, os autores do atentado estavam armados com metralhadoras Kalashnikov e um lança-rockets, e terão gritado “vingámos o profeta”.

Também o presidente da União das Mesquitas de França, Muhammed Moussaoui , se mostrou “horrorizado e chocado” com o ataque, afirmando que “nada disto beneficia o Islão”.

“Não há palavras suficientemente duras para condenar actos de carnificina que só servem para exacerbar as tensões e gerar mais actos de violência”, sublinhou. E “se os extremistas obstinados intensificam os seus actos de violência e atrocidade”, disse o imã, “os muçulmanos devem intensificar a sua reacção face a esta barbárie, infelizmente, cometida em nome da religião muçulmana”.

O Conselho dos Muftis da Rússia também expressou condolências pelo ataque. Em comunicado, considerou “inaceitável” qualquer tipo de provocações e reacções violentas e apelou aos muçulmanos para permanecerem calmos.

Os muftis russos condenam todo o tipo de terrorismo, mas apelam à comunicação social para não ofender os sentimentos das pessoas de outras culturas.