Tempo
|

Papa condena ataque a sinagoga em Jerusalém

19 nov, 2014 • agência Ecclesia

Seis pessoas, entre os quais dois atacantes, morreram e oito ficaram feridas. Foi o episódio mais sangrento na cidade, nos últimos seis anos.

O Papa condenou, esta quarta-feira, o aumento da violência na Terra Santa, um dia depois de um ataque contra uma sinagoga em Jerusalém, pedindo o fim destes actos “inaceitáveis”.

“Do fundo do coração, dirijo às partes envolvidas um apelo, para que se ponha fim à espiral de ódio e de violência e se tomem decisões corajosas pela reconciliação e pela paz”, declarou Francisco, na parte final da audiência pública semanal, que decorreu na Praça de São Pedro.

O ataque perpetrado terça-feira contra uma sinagoga de Jerusalém oeste provocou a morte de quatro fiéis e de dois atacantes, enquanto outras oito pessoas ficaram feridas.

“Sigo com preocupação o alarmante aumento da tensão em Jerusalém e noutras zonas da Terra Santa, com episódios inaceitáveis de violência que não poupam sequer os lugares de culto”, declarou o Papa.

“Asseguro uma oração particular por todas as vítimas desta dramática situação e por quantos sofrem as suas consequências”, acrescentou.

Francisco recordou as palavras que proferiu na sua viagem à Terra Santa, em maio deste ano, quando convidou os presidentes de Israel e da Palestina para um encontro de oração pela paz: “Construir a paz é difícil, mas viver sem paz é um tormento”.