Tempo
|

Estado Islâmico avança para moeda própria

14 nov, 2014 • Filipe d’Avillez

Uma só moeda de cinco dinares chegaria para pagar o ordenado mínimo em Portugal. E ainda seria preciso dar um dinar de troco.

Estado Islâmico avança para moeda própria
A partir desta semana o Estado Islâmico passa a ter a sua própria moeda, consolidando assim a sua pretensão a ser um Estado independente e funcional. Com esta medida o grupo espera “emancipar-se do satânico sistema económico global”.

As moedas do Estado Islâmico são cunhadas integralmente em ouro, prata ou cobre e já existe uma taxa de câmbio, publicado pelas autoridades deste grupo terrorista, que ocupa grande parte do Iraque e da Síria.

Uma moeda de ouro de cinco dinares vale nada menos que 638 euros. Ou seja, chegaria para pagar o salário mínimo em Portugal (505 euros) e ainda teria de dar pelo menos uma moeda de 1 dinar de troco.

Existem apenas estas duas moedas em ouro, mas há três moedas de prata, 10, 5 e 1 dirham, que valem 8 euros, 4 euros e 80 cêntimos respectivamente.

Mais humildes são as duas moedas de cobre. A moeda de 20 fils vale 10 cêntimos e a de 10 fils vale 5 cêntimos.

A cunhagem de moeda própria, que está a ser festejada e muito divulgada pelos membros e apoiantes do Estado Islâmico, surge dias depois de a revista "Forbes Israel" ter publicado uma lista dos grupos terroristas mais ricos do mundo. O grupo liderado pelo iraquiano Abu Bakr al-Baghdadi surge em primeiro lugar.

A fortuna do Estado Islâmico advém do pagamento de resgates por parte de governos e famílias que querem reaver pessoas raptadas pelo grupo, mas também, e sobretudo, do saque de bancos nas cidades ocupadas e a produção e venda, no mercado negro, de petróleo. Acredita-se ainda que há pessoas influentes dos países do Golfo Pérsico a financiar o grupo.

O que é o Estado Islâmico?