Tempo
|

Confundiu liberdade com libertinagem até “cair do cavalo” para o seminário

09 nov, 2014 • Henrique Cunha

Daniel é um dos três candidatos a padre que a Renascença foi conhecer, no dia em que começa a semana dos seminários.  

Confundiu liberdade com libertinagem até “cair do cavalo” para o seminário
ordenações
Finalistas de teologia, André, Daniel e Diogo são três dos 42 seminaristas que frequentam o seminário maior do Porto.

Daniel Mendes é oriundo da Diocese de Coimbra e o menos jovem dos três finalistas.

Chegou ao seminário com 28 anos depois de “ter confundido liberdade com libertinagem” o que originou a procura de “caminhos anormais que me prejudicavam a vida e a saúde”. Foi “por volta do ano 2000” que Daniel Mendes “caiu do cavalo” e teve “ uma experiencia da misericórdia de Deus.”

Mais jovem, actualmente com 23 anos, André Meireles é seminarista da Diocese de Vila Real.

Recorda a “adolescência perfeitamente semelhante à dos colegas” mas também as “inquietações aos 15 anos” que “levavam a perguntar que bem faço pelos outros?” 

Também com 23 anos, Diogo Oliveira prepara-se para o sacerdócio depois de “ter sentido um fascínio, uma paixão desde tenra idade, em seguir o exemplo de outros padres.”

Entre os 42 alunos do Seminário de Nossa Senhora da Conceição, estão representadas as dioceses do Porto, de Coimbra e Vila Real.

O seu reitor, o padre António Augusto Azevedo reconhece dificuldades acrescidas ao nível da formação, decorrentes “do contexto social e cultura, e também familiar” que não anulam, no entanto, uma marca importante desta geração que “tem uma grande disponibilidade para a missão.”

Diogo Oliveira reconhece as dificuldades de contexto mas afirma que “os 2000 anos de história da Igreja” são garantia “da capacidade de adaptação aos tempos que vive”, por isso “não angustia a adaptação a um mundo novo”.

“Servidores da Alegria do Evangelho” é o tema da semana dos seminários, que começa este domingo. O reitor sustenta que “a palavra de Jesus e a acção de Jesus foram sinais de alegria” e lembra que “onde Ele está, onde chegam os sinais da salvação, chega naturalmente a alegria”.

Por isso, para o Reitor do Seminário Maior do Porto, o facto de o Papa Francisco "nos lembrar tudo isto”, perante uma sociedade “angustiada e muito entristecida” é motivo de redobrada esperança “em encontrar Jesus, que significa encontrar a alegria”.

A semana dos seminários termina domingo, dia 16 de Novembro e é um dos destaques do programa “Principio e Fim”, a ouvir a partir das 23h30, na Renascença.