Tempo
|

Paquistanesa condenada à morte escreve ao Papa. "Reze por mim"

28 out, 2014

Asia Bibi, que é católica, está presa desde 2009. Na missiva disse confiar que Deus tem um plano para ela.

A jovem mãe paquistanesa que foi condenada à morte por blasfémia escreveu ao Papa Francisco, pedindo as suas orações.

Asia Bibi, que é católica, está presa desde 2009, altura em que foi acusada de ter blasfemado contra o Islão. Foi condenada em 2010 e desde essa altura tem visto sucessivos recursos negados pela justiça paquistanesa. Agora, só lhe resta um recurso ao Supremo Tribunal, que deverá ser entregue pelos advogados nas próximas semanas.

Mas a sua situação não parece ter conduzido ao desespero. Na carta que escreve a Francisco, e divulgada pelo site “Vatican Insider”, afirma: “Estou-me a agarrar firmemente à minha fé cristã e confio que Deus, meu Pai, me defenderá e me restituirá a liberdade.”

“A minha única esperança é de que um dia poderei ver a minha família reunida e feliz de novo. Acredito que Deus não me abandonará e que tem um plano para a minha felicidade e meu bem-estar, que se realizará muito em breve.”

Asia Bibi confia-se, ainda, às orações do Papa. “Papa Francisco, sou sua filha. Imploro-lhe: reze por mim, pela minha salvação e pela minha liberdade. Nesta altura apenas me posso confiar a Deus todo-poderoso”.

O Paquistão reserva a pena de morte para os acusados de blasfemar contra Maomé e prisão perpétua para quem blasfemar contra o Alcorão. Ninguém foi de facto executado ao abrigo desta lei, mas várias pessoas foram assassinadas extrajudicialmente, nas prisões ou depois da sua libertação, em consequência directa das acusações em que estiveram envolvidos.

A lei da blasfémia é usada frequentemente para saldar vinganças pessoais e costuma ser usada em particular contra minorias religiosas, como cristãos, xiitas e membros de outras comunidades que não o Islão sunita.