Tempo
|

Novo rapto de jovens atribuído aos rebeldes do Boko Haram

28 out, 2014

Gupo rebelde luta pela imposição da lei islâmica na Nigéria e ataca com frequência igrejas e comunidades cristãs, edifícios do Governo e tudo o que considerem ocidentalizado, incluindo escolas.

Cerca de 30 adolescentes, entre os quais algumas crianças, foram raptadas durante o fim-de-semana por rebeldes de Boko Haram na região de Maiduguri, no noroeste da Nigéria.

Um dos chefes da aldeia de Mafa, onde ocorreu o ataque, revelou que “os rebeldes agarraram nos jovens, rapazes e raparigas, e levaram todos os rapazes com 13 anos e mais e também todas as raparigas a partir dos 11 anos”, disse Alhaji Shettima Maina, citado pela Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

Segundo as últimas informações, os rebeldes do Boko Haram mataram um cidadão alemão e raptaram outro num ataque na cidade de Sagamu. Também se registram ataques recentes nas vilas de Waga Mangoro e Garta.

Estas incursões ocorreram após um alegado cessar-fogo ter sido acordado entre o governo e o grupo terrorista que declarou a instauração de um “califado” nas regiões que controla no norte do país junto da fronteira com os Camarões. Nesse acordo teria sido decidida a libertação das mais de 200 jovens estudantes raptadas em Abril passado, o que nunca se verificou.

Na noite de 14 de Abril, 276 raparigas foram raptadas dos dormitórios de uma escola secundária na cidade remota de Chibok, no estado de Borno, no nordeste do país, das quais 57 conseguiram escapar.  O então líder do grupo extremista, Abubakar Shekau, ameaçou mesmo vender as jovens como noivas escravas, prometendo mantê-las em cativeiro até que militantes do grupo fossem libertados da prisão.

O Boko Haram luta pela imposição da lei islâmica na Nigéria e ataca com frequência igrejas e comunidades cristãs, edifícios do Governo, forças policiais e militares e tudo o que considerem ocidentalizado, incluindo escolas.

Quem são e o que querem os raptores das raparigas da Nigéria?