Tempo
|

Decisão rara do Papa: bispo removido no Paraguai

25 set, 2014 • Filipe d'Avillez

O Vaticano acaba de anunciar a substituição do bispo de Ciudad del Este. Em causa está o facto de a diocese ter albergado um sacerdote acusado de abusos sexuais de menores.

O Papa ordenou a substituição do bispo Rogelio Ricardo Livieres Plano, da diocese de Ciudad del Este, no Paraguai. A decisão segue-se às conclusões de uma visitação apostólica da diocese, uma espécie de inspecção ordenada por Roma, levada a cabo em Julho.

Numa nota publicada pelo Gabinete de Imprensa da Santa Sé, o Vaticano dá conta da substituição do bispo, mas não entra em detalhes sobre as razões, limitando-se a dizer que a “árdua decisão” penosa foi tomada para o “bem maior da unidade da Igreja de Ciudad del Este e da comunhão episcopal no Paraguai”.

Sabe-se, porém, que dois factores podem ter contribuído para este desenlace, muito raro na Igreja. O principal é o facto de o bispo Livieres Plano ter nomeado como Vigário-geral da diocese o padre Carlos Urrotigoity, que tinha sido acusado de abusos sexuais de menores durante uma estadia na diocese de Scranton, nos EUA. Embora nunca tenha sido condenado pelos crimes, está identificado por essa diocese como “uma séria ameaça a jovens”.

O bispo paraguaio defendeu a sua acção dizendo que as acusações nunca foram provadas e os apoiantes de Urrotigoity afirmam que elas são falsas e motivadas por divergências teológicas, uma vez que o padre, bem como o bispo, são tidos como conservadores. Contudo, a decisão de dar um cargo de destaque a um padre acusado de abusos sexuais, mesmo sem que essas acusações tenham sido comprovadas como falsas, contradiz a política de "tolerância zero" que o Vaticano tem vindo a promover em relação a este assunto, ao longo dos últimos anos, o que poderá ter conduzido à resignação forçada de Livieres Plano.

O segundo factor em causa é, precisamente, o conservadorismo do bispo, tanto teológico como litúrgico, que o colocava, muitas vezes, no campo oposto dos restantes bispos do Paraguai, considerados mais liberais.

O facto de a nota realçar a importância da “comunhão episcopal” indica que esta poderá ter sido uma das razões consideradas. Livieres Plano é um grande crítico da teologia da libertação. Os seus defensores apontam para os resultados práticos da sua actividade pastoral, que incluem um grande aumento de vocações, casamentos pela Igreja e baptizados naquela diocese.