Tempo
|

O preço de manejar cobras em nome de Cristo

17 fev, 2014

Pastor de uma igreja pentecostal no Kentucky foi estrela de uma “reality show” do “National Geographic”. Já tinha sido mordido oito vezes. A nona foi fatal.

O preço de manejar cobras em nome de Cristo
Um pastor de uma igreja de manejadores de cobras, no estado norte-americano de Kentucky, morreu depois de ter sido mordido, numa mão, por uma cascavel, durante uma cerimónia.

Este tipo de igreja é um fenómeno exclusivo da América do Norte e baseia-se numa passagem do Evangelho de São Marcos que diz que os seguidores de Cristo “pegarão em serpentes e, se beberem alguma coisa mortífera, não lhes fará dano algum”. Embora a maioria das confissões cristãs entenda a frase de forma metafórica, os manejadores de cobras acreditam que, se não puserem a sua fé à prova, literalmente, desta forma, não se salvarão.

O pastor Jamie Coots estava, precisamente, a manejar cobras venenosas quando foi mordido. O seu filho viu-o a largar as cobras e percebeu que tinha sido mordido, mas não se preocupou. “Pensei que iríamos para casa, ele deitava-se no sofá, sofria um bocadinho, rezava um bocadinho e, depois, curava-se”, confessou.

Esta não foi a primeira vez que Coots foi mordido, mas, noutras oito ocasiões, sobreviveu. Uma equipa médica ainda foi a sua casa, mas o pastor recusou qualquer assistência. “Ele iria ao hospital por qualquer razão menos por uma mordidela de cobras”, justificou o filho.

Coots não é o primeiro membro de uma igreja de manejadores de cobras a morrer em consequência da sua fé. Filho e neto de manejadores de cobras, era conhecido por ter sido estrela de um reality show do canal “National Geographic”, chamado “Snake Salvation”.

Actualmente, existem poucas igrejas destas nos Estados Unidos e alguns pastores têm tido dificuldades legais para manter cobras venenosas em cativeiro.