Tempo
|

Resultados do inquérito às famílias revelam “dificuldade em transmitir a fé”

14 jan, 2014 • Ecclesia

Tema foi abordado esta tarde em Fátima pelo porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa.  

O porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) disse esta terça-feira, em Fátima, que os resultados do inquérito do Vaticano sobre a família indicam, no contexto nacional, que as famílias “têm dificuldade em transmitir a fé e até os valores morais”.

“Muitas vezes endossa-se à Escola os valores morais e os princípios éticos e que a Igreja faça a educação religiosa e catequética”, quando “o ambiente para transmitir toda a espécie de valores” deve ser “o ambiente da própria família”, referiu o padre Manuel Morujão.

O questionário que a Santa Sé remeteu às dioceses de todo o mundo, subordinado ao tema “Os desafios pastorais da família no contexto da evangelização”, foi abordado pelo sacerdote no final da reunião dos bispos que constituem o Conselho Permanente da CEP, que decorreu na Casa de Nossa Senhora das Dores.

Numa conversa com os jornalistas, o padre Manuel Morujão saudou “a grande adesão” que o projecto registou, com a participação de “milhares de pessoas e grupos, mais ou menos ligados à Igreja”, o que revelou também uma preocupação geral em “melhorar a família”, enquanto um “bem de toda a sociedade”.

Neste momento “quase todas as dioceses portuguesas deram a sua resposta” e os dados estão a ser trabalhados e resumidos.

“Um grupo de três pessoas do secretariado permanente da CEP vai fazer essa síntese, esperamos que até ao fim do mês possamos ter esse trabalho terminado”, adiantou o porta-voz.

Recorde-se que os dados do inquérito vão estar em debate numa assembleia extraordinária do Sínodo dos Bispos, no Vaticano, entre os dias 5 e 19 de Outubro deste ano.

Apesar do conteúdo das respostas estar reservado sobretudo para uma análise a ser feita durante aquele evento, o sacerdote destacou ainda o “clima de esperança” que “também se nota nas respostas”, num tempo marcado por dificuldades económicas e sociais.

Os dados permitem perceber que as pessoas acreditam que “a família que têm pode ser melhor, que as dificuldades não são intransponíveis nem eternas”, apontou o padre Manuel Morujão.

Temas como a “União de pessoas do mesmo sexo”, a “Educação dos filhos no contexto de situações matrimoniais irregulares” e o “Matrimónio segundo a lei natural” também foram incluídos no lote de perguntas remetidas às famílias.

Sobre estas questões mais fracturantes, o porta-voz da CEP adiantou que a linha seguida por aqueles que participaram no inquérito apontou para a necessidade de uma Igreja “mais inclusiva, mantendo naturalmente as regras fundamentais, porque a Igreja tem o dever de se actualizar, não de se reinventar”.