Tempo
|

John Kerry no Vaticano para falar da Síria e do “ObamaCare”

14 jan, 2014

O processo de paz na Terra Santa esteve também na agenda do secretário de Estado norte-americano, que se encontrou em Roma com o seu homólogo do Vaticano.

John Kerry no Vaticano para falar da Síria e do “ObamaCare”
O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, encontrou-se esta terça-feira em Roma com o monsenhor Pietro Parolin, o secretário de Estado do Vaticano, durante cerca de uma hora e quarenta minutos.

A guerra civil na Síria foi o principal assunto em discussão, dias antes da conferência “Genebra 2”, que vai procurar uma solução para a crise naquele país.

A Santa Sé tem feito repetidos apelos à paz, procurando contudo manter-se neutra. Já os Estados Unidos têm apoiado a oposição ao longo deste conflito que dura há quase três anos, mas o Governo americano está cada vez mais preocupado com a influência dos fundamentalistas islâmicos entre os rebeldes que procuram a destituição de Bashar al-Assad.

Em cima da mesa esteve também o conflito que opõe a administração de Barack Obama aos bispos americanos por causa da cláusula contida na lei que reforma o sistema de saúde que obriga as entidades patronais a fornecer aos seus funcionários seguros de saúde que cubram serviços abortivos e contraceptivos.

Os bispos já disseram publicamente que não vão respeitar esta norma, que viola a consciência dos católicos, mas o preço a pagar pode ser alto, tendo em conta que a lei prevê multas de 100 dólares por dia, por funcionário. A aplicação das coimas, que deveriam começar a contar a partir do dia 1 de Janeiro, pode levar à falência de universidades, hospitais, centros sociais e escolas católicas.

A Igreja, que sempre apoiou a reforma do sistema de saúde, pede apenas para as suas instituições serem isentas desta norma, mas até agora Obama tem sido inflexível.

Segundo o director da sala de imprensa da Santa Sé, o padre Federico Lombardi, as conversações sobre este assunto decorreram num ambiente “positivo”, tendo-se ficado com a impressão de que o encontro tinha sido “frutuoso”.

Por fim, os dois secretários de Estado conversaram sobre as negociações para um acordo de paz na Terra Santa, um assunto em que tanto os Estados Unidos como o Vaticano estão fortemente empenhados.