Tempo
|

Quando o cabelo preso num motor se torna uma questão de fé

10 jan, 2014

Em causa está um acidente ocorrido no ano passado e que acaba agora de chegar à Justiça.

Uma mulher americana ficou com os cabelos presos no motor de um kart enquanto se divertia com um grupo de amigos, ainda em 2013, nas instalações de uma empresa. O incidente causou-lhe ferimentos e levou à rápida intervenção dos funcionários do estabelecimento, que, perante os seus protestos, lhe cortaram o cabelo para soltá-la.

O problema é que Holly Hanjra, de ascendência indiana, é da religião sikh, cujos fiéis estão impedidos de cortar o cabelo.

Agora, a vítima do acidente está a processar o estabelecimento de diversão. Holly diz que pediu encarecidamente aos funcionários para ligarem para os serviços de emergência, mas os seus apelos foram ignorados.

"A Holly sofreu danos emocionais severos por lhe terem cortado o cabelo. Destruíram um dos símbolos de devoção à sua fé", pode ler-se no processo que foi instaurado esta semana. A mulher não cortava o cabelo desde que nasceu.

Tanto os homens como as mulheres sikhs não devem cortar o cabelo. Normalmente, os homens usam um turbante, mas as mulheres tendem a usar o cabelo descoberto.