Tempo
|

Amor cristão "não é o das telenovelas", diz o Papa

09 jan, 2014 • Agência ecclesia

"O amor cristão é concreto”, disse Francisco, esta quinta-feira, na homilia da missa a que presidiu, na capela da Casa de Santa Marta.

O Papa disse hoje, no Vaticano, que o amor dos cristãos deve ser “concreto”, com mais “obras do que palavras”, evitando o sentimentalismo de “telenovelas”.

“O amor de que fala [São] João não é o amor das telenovelas. Não, é uma outra coisa. O amor cristão tem uma qualidade, a concretude. O amor cristão é concreto”, afirmou Francisco, esta quinta-feira, na homilia da missa a que presidiu esta manhã, na capela da Casa de Santa Marta.

O Papa recordou que Jesus, ao falar de amor, se centrava em coisas “concretas” como “dar de comer a quem tem fome, visitar os doentes”.

"O amor é concreto”, sublinhou, porque tem “a concretude cristã. E, quando ela não existe, pode viver-se um cristianismo de ilusões, porque não se percebe bem onde está o centro da mensagem de Jesus”, alertou Francisco, sublinhando a importância do verbo “permanecer” na espiritualidade cristã para definir a relação com Deus.

“Nós em Deus e Deus em nós. Esta é a vida cristã. Não é permanecer no espírito do mundo, permanecer na superficialidade, permanecer na idolatria, permanecer na vaidade. Não, não: é permanecer no Senhor”, precisou.

O Papa observou que um “coração endurecido” pode pensar que amar é “imaginar coisa” em vez de ser algo “concreto” e deixou dois “critérios” para uma revisão de vida.

“Primeiro critério: amar com as obras, não com palavras. Palavras leva-as o vento”, sustentou. O segundo critério passa pela consciência de que “no amor é mais importante dar que receber”.

“Quem não ama, quem é egoísta, procura sempre receber, ter coisas, ganhar vantagem”, advertiu Francisco, convidando os presentes a “permanecer de coração aberto” e no “amor”, com Deus.