Tempo
|

Imã roqueiro faz tremer instituição religiosa na Turquia

03 dez, 2013

Em Agosto o primeiro concerto dos FiRock atraiu alguns milhares de pessoas e bastante imprensa. Mas atraiu mais que isso, atraiu também um funcionário do Directório dos Assuntos Religiosos.

Imã roqueiro faz tremer instituição religiosa na Turquia
Quando Ahmet Tuzer começou a cantar numa banda rock estava longe de imaginar a confusão que estava a lançar na Turquia.

É que Tuzer não vive da música. Ele é o imã de uma pequena mesquita da aldeia de Pinarkoy, que tem uma população de cerca de 80 pessoas. O resultado foi o desencadear de um processo que poderá levar à sua suspensão pelo Governo, que controla as actividades islâmicas naquele país.

Para se perceber bem o que está em causa é preciso entender a difícil relação que existe entre o Estado e o Islão na Turquia. O país foi, durante o Império Otomano, a capital do mundo muçulmano, mas quando foi implementada a república, por Ataturk, a sociedade e o Estado secularizaram-se.

Esta secularização, porém, não criou uma separação entre a Religião e o Estado. Pelo contrário, estabeleceu um controlo da religião por parte do Estado. Actualmente todos os imãs na Turquia estão sob as ordens do Diyanet, o Directório dos Assuntos Religiosos.

Em Agosto o primeiro concerto dos FiRock, como se chama a banda, atraiu alguns milhares de pessoas e bastante imprensa. Mas atraiu mais que isso, atraiu também um funcionário do Diyanet que rapidamente viajou para Pinarkoy para falar com os habitantes e averiguar se o passatempo de Tuzer é compatível com a sua profissão.

“Até foi falar com ateus nos bares de Kas”, diz Tuzer, referindo-se à cidade mais próxima.

O imã roqueiro diz que não compreende qual é o problema. “Não fazemos referência a satanás, nem ao inferno nas nossas músicas. Não somos uma banda de ‘death metal’”, brinca. Mas por outro lado reconhece que: “Eles talvez digam que se me deixarem continuar terão de lidar com um imã de jazz, ou um imã do rapper. Têm medo de perder o controlo”.

Aconteça o que acontecer, o imã Tuzer garante que não vai deixar de fazer música e promete que, caso seja suspenso, levará o Dinyet a tribunal.