Tempo
|

Secretas libanesas dizem que está a ser negociada a libertação de bispos sírios

30 out, 2013

Situações de perseguição aos cristãos têm aumentado na Síria com o agravar da guerra civil.

Os dois bispos sírios raptados em Abril de 2013 estarão vivos e a sua libertação está a ser negociada.

A garantia é dada pelo responsável pelos serviços secretos do Líbano, general Abbas Ibrahim, em entrevista a uma televisão local.

É apenas mais um capítulo na já longa novela que envolve estes dois bispos ortodoxos, que foram raptados, alegadamente por rebeldes chechenos perto de Alepo, na Síria. Os dois prelados já foram dados como mortos e depois como vivos. Recentemente surgiu informação que teriam sido vistos, mas o Patriarcado Greco Ortodoxo já disse que não teve acesso a qualquer informação fiável sobre o destino de Boulos Yazigi e Youhanna Ibrahim.

Contudo, esta declaração de Abbas Ibrahim poderá ser apenas um forma de tentar apaziguar os cristãos no Líbano que tinham manifestado esperanças de que os bispos fossem soltos numa recente troca de detidos por várias facções, negociada por Beirut.

Nessa altura foram libertados nove peregrinos xiitas que tinham sido raptados por forças rebeldes. Em troca o regime de Damasco soltou algumas activistas e uma milícia libanesa soltou dois pilotos turcos que tinham sido raptados no Líbano.

Quem também estará a tentar assegurar a libertação dos dois bispos é a Rússia, que nos últimos tempos tem-se assumido como protector do Cristianismo no Médio Oriente. A maioria dos cristãos na Síria são ortodoxos, da mesma comunhão que a Igreja russa, e têm sido bastante críticos dos países ocidentais que, sendo de maioria cristã, continuam a apoiar os rebeldes, cada vez mais influenciados por islamitas radicais.

À medida que a guerra civil na Síria avança tem piorado a perseguição aos cristãos por parte de algumas forças rebeldes. Para além de execuções sumárias e profanação de igrejas, há também claras mensagens de intolerância. Ontem foi publicado um vídeo que mostra um clérigo sunita a destruir uma imagem de Nossa Senhora, enquanto diz que apenas o Islão extremista será aceite na Síria.