Tempo
|

Enterro de oficial Nazi interrompido por protestos em Itália

16 out, 2013

Erich Priebke foi condenado por ter ordenado a execução de mais de 300 civis durante a ocupação da Itália. A Fraternidade Sacerdotal de São Pio X ofereceu-se para celebrar as suas exéquias.

O polémico enterro de Erich Priebke, um antigo oficial Nazi, foi interrompido e abandonado por pressão de centenas de manifestantes na região de Albano Laziale, perto de Roma.

Priebke foi responsável pela execução de 335 civis italianos, em represália por uma emboscada da resistência italiana que causou a morte a 33 soldados alemães. 

Após a guerra conseguiu escapar para a Argentina, mas quando foi identificado foi deportado para Itália, julgado e condenado pela sua parte no massacre. O alemão estava a cumprir pena em prisão domiciliária.

Após a sua morte o seu advogado solicitou um enterro católico. A diocese de Roma autorizou a realização de uma cerimónia privada, fora de qualquer Igreja e sem missa, o que o advogado recusou.

Nessa altura o grupo tradicionalista Fraternidade Sacerdotal de São Pio X (SSPX), que está em situação de ruptura com o Vaticano, ofereceu-se para celebrar as exéquias na sua igreja na região de Albano Laziale.

Os seguidores do grupo criado pelo Arcebispo Marcel Lefebvre defenderam que qualquer homem, independentemente dos crimes que tenha cometido no passado, desde que se tenha reconciliado com a Igreja, tem o direito a um enterro católico com missa. Num comunicado, o grupo fez questão de se distanciar do anti-semitismo e do racismo, mas a SSPX tem um historial de posições problemáticas sobre o judaísmo.

Contudo, o funeral, que era para ter decorrido na terça-feira, teve de ser interrompido quando centenas de pessoas apareceram para se manifestar contra o enterro de Priebke. A polícia foi obrigada a intervir e a situação agravou-se quando chegou um grupo de neonazis compareceu, dizendo que queriam assistir à cerimónia.

O corpo de Priebke encontra-se agora numa base aérea italiana e o Estado italiano está a discutir com a Alemanha a possibilidade de trasladar o cadáver para o seu país de origem.