Tempo
|

João Paulo II “falava com a simplicidade dos grandes homens”

16 out, 2013

O Papa polaco foi eleito há 35 anos. “Quis ser missionário de todo o mundo”, recorda o cardeal Saraiva Martins, que diz ter sido muito influenciado por João Paulo II.

Karol Wojtyla foi eleito Papa há 35 anos. Aconteceu no dia 16 de Outubro de 1978. O Papa que chegou do Leste protagonizou o segundo mais longo pontificado da história, com um profundo impacto à escala global.

Em entrevista à Renascença, o cardeal Saraiva Martins recorda o momento em que o Papa polaco foi anunciado ao mundo.

“Eu era reitor da Pontifícia Universidade Urbaniana e o dia da eleição coincidia com a inauguração do ano académico. Então disse a um professor que fôssemos para o jardim da universidade para ver se era eleito ou não. Se for, eu depois anunciou aos alunos da minha universidade”, conta.

O cardeal português destaca a importância de Karol Wojtyla na evangelização.

“Costumo dizer que foi São Paulo dos tempos modernos. Para ele, ser Papa era ser missionário de todo o mundo. Não um mundo abstracto, mas um mundo de pessoas, com as pessoas de todo o mundo”, assinala.

O cardeal Saraiva Martins conta ainda como a sua vida “está intimamente ligada a João Paulo II”.

“Foi ele que me pediu para ficar aqui em Roma. Foi ele que me nomeou reitor da Pontifícia Universidade Urbaniana e depois secretário da Congregação para Educação Católica e, por fim, prefeito da Congregação das Causas dos Santos”, descreve.

Existiu, por isso, uma convivência próxima entre ambos. “Muitas vezes, convidou-me para almoçar com ele e falávamos de tudo. Ele falava sempre com aquela humildade, aquela amabilidade, aquela simplicidade própria dos grandes homens.”

“João Paulo II era uma pessoa muito humana. Era realmente um santo”, conclui.