Tempo
|

Papa pede aos casais que tenham a fidelidade de Maria

13 out, 2013 • Filipe d’Avillez

“Sou um cristão intermitente, ou sou cristão sempre? Infelizmente, a cultura do provisório, do relativo penetra também na vivência da fé”, avisa Francisco.  

Papa pede aos casais que tenham a fidelidade de Maria
Papa pede aos casais que tenham a fidelidade de Maria
“Sou um cristão intermitente, ou sou cristão sempre? Infelizmente, a cultura do provisório, do relativo penetra também na vivência da fé”, avisa Francisco.
O Papa recorreu esta manhã ao exemplo da fidelidade de Nossa Senhora para incentivar os casais a serem fiéis ao seu compromisso.

Numa altura em que muito se tem falado sobre o casamento, os divórcios e as segundas uniões, tendo o Papa convocado um sínodo para Outubro de 2014 para discutir esta questão, Francisco deixou claro qual é o ideal que a Igreja recomenda.

“Deus surpreende-nos com o seu amor, mas pede fidelidade em segui-Lo. Pensemos quantas vezes já nos entusiasmámos por qualquer coisa, por uma iniciativa, por um compromisso, mas depois, ao surgirem os primeiros problemas, abandonámos”, afirmou o Papa.

“Infelizmente, isto acontece também com as opções fundamentais, como a do matrimónio. É a dificuldade de ser constantes, de ser fiéis às decisões tomadas, aos compromissos assumidos. Muitas vezes é fácil dizer ‘sim’, mas depois não se consegue repetir este ‘sim’ todos os dias.”

As palavras de Francisco surgiram durante a homilia da missa no fim da qual será feita a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Nossa Senhora, na presença da imagem de Nossa Senhora de Fátima.

Diante de uma Praça de São Pedro demasiado pequena para os cerca de 300 mil fiéis, o Papa reflectiu sobre três realidades, à luz do exemplo de Maria: “Deus surpreende-nos, Deus pede-nos fidelidade, Deus é a nossa força”.

“Deus surpreende-nos sempre, rompe os nossos esquemas, põe em crise os nossos projectos, e diz-nos: confia em Mim, não tenhas medo, deixa-te surpreender, sai de ti mesmo e segue-Me!”

“Hoje perguntemo-nos, todos, se temos medo daquilo que Deus me poderá pedir ou está pedindo. Deixo-me surpreender por Deus, como fez Maria, ou fecho-me nas minhas seguranças, nos meus projectos? Deixo verdadeiramente Deus entrar na minha vida? Como Lhe respondo?”, perguntou o Papa Francisco.

Nossa Senhora é para nós um exemplo, considera o Papa, pela sua disposição sempre pronta a acolher as surpresas de Deus e a manter-se fiel: “Maria disse o seu ‘sim’ a Deus, um ‘sim’ que transtornou a sua vida humilde de Nazaré, mas não foi o único; antes, foi apenas o primeiro de muitos ‘sins’ pronunciados no seu coração tanto nos momentos felizes, como nos dolorosos… muitos ‘sins’ que culminaram no ‘sim’ ao pé da Cruz. Estão aqui hoje muitas mães; pensai até onde chegou a fidelidade de Maria a Deus: ver o seu único Filho na Cruz.”

Perante este exemplo os cristãos devem interrogar-se sobre a sua postura diante dos desafios de Deus: “Sou um cristão intermitente, ou sou cristão sempre? Infelizmente, a cultura do provisório, do relativo penetra também na vivência da fé. Deus pede-nos para Lhe sermos fiéis, todos os dias, nas acções quotidianas; e acrescenta: mesmo se às vezes não Lhe somos fiéis, Ele é sempre fiel e, com a sua misericórdia, não se cansa de nos estender a mão para nos erguer e encorajar a retomar o caminho, a voltar para Ele e confessar-Lhe a nossa fraqueza a fim de que nos dê a sua força.”

Por fim, o Papa deixou aos fiéis uma recomendação tanto para a sua relação com Deus como para a vida familiar: “Dizer obrigado parece tão fácil, e todavia é tão difícil! Quantas vezes dizemos obrigado em família? Quantas vezes dizemos obrigado a quem nos ajuda, vive perto de nós e nos acompanha na vida? Muitas vezes damos tudo isso como dado adquirido! E o mesmo acontece com Deus”, afirmou.

Num dos poucos improvisos que teve com a homilia deste domingo, o Papa avisou os fiéis: “‘Com licença’, ‘desculpe’, ‘obrigado’. Com estas três expressões, uma família avança todos os dias”.

A missa na Praça de São Pedro culminou com a consagração do Mundo a Nossa Senhora.

[Notícia actualizada às 11h37]