Tempo
|

Batalha de Nairobi também se trava no Twitter

24 set, 2013 • Filipe d'Avillez

Ao quarto dia da ocupação do centro comercial queniano, ainda há terroristas à solta e o grupo garante que mantém reféns na sua posse.

Batalha de Nairobi também se trava no Twitter
Batalha de Nairobi também se trava no Twitter
Ao quarto dia do ataque a um centro comercial da capital queniana, ainda se ouvem tiros e explosões. As forças de segurança desencadearam uma operação que garantem ter concluído ao final da manhã. Mas não é certo que tenham recuperado o controlo do espaço, atacado por uma milícia islâmica conhecida como al-Shabab, com ligações à Al Qaeda. O ministério do Interior do Quénia admite que entre os atacantes possam estar cidadãos americanos e britânicos.
A batalha pelo centro comercial Westgate, em Nairobi, ocupado por terroristas islâmicos desde sábado, continua em pleno, com alguns terroristas ainda à solta e a possibilidade de permanecerem reféns na sua posse.

Enquanto os militares procuram neutralizar os militantes, uma outra faceta da batalha decorre na rede social Twitter, onde o Al-Shabaab, o grupo islamita responsável pelo ataque e que opera a partir da Somália, mantém uma conta e vai colocando mensagens de glorificação dos terroristas.

“Quenianos, vejam como o medo tomou conta da vossa nação. Nem têm a liberdade de mandar uma simples mensagem escrita aos vossos amigos e família”, lê-se numa das mensagens.

Noutra, dirigida às autoridades quenianas, que já juraram manter a guerra contra o Al-Shabaab na Somália, lê-se: “Podem adoptar um semblante corajoso mas estão abalados. O vosso espírito está a quebrar-se e aos vossos líderes falta-lhes a fibra moral para fazer a coisa certa”.

Na mensagem mais recente fica o aviso: “Podiam ter evitado tudo isto e vivido as vossas vidas relativamente em paz. Retirem as vossas forças do nosso país e a paz virá.”

O grupo até já postou uma fotografia. Na imagem, capturada pelas câmaras de vigilância, vêem-se dois militantes armados. A mensagem que acompanha confirma que se trata de dois membros do Al-Shabaab e comenta: "o seu sangue frio". Periodicamente as contas do grupo no Twitter são desactivadas, mas logo surge uma nova, passados poucos minutos.

O Al-Shabaab chegou a ocupar largas partes da Somália, mas uma incursão queniana, integrada numa força africana multinacional, varreu os islamitas para fora das principais cidades. O Quénia optou por intervir depois de o grupo ter levado a cabo uma série de atentados e raptos em território queniano. 

Reivindica a retirada imediata das forças quenianas da Somália. A ocupação do centro comercial Westgate já fez pelo menos 62 mortos confirmados e mais de 170 feridos. Pelo menos três dos terroristas já foram mortos pelas autoridades.