Tempo
|

Padre explica que “não faz sentido falar em perdão através do twitter”

17 jul, 2013 • Ângela Roque

O Papa concedeu indulgência plenária a quem participar na Jornada Mundial da Juventude ou acompanhar como puder, pela comunicação social, mas o decreto tem sido mal interpretado por alguns meios de informação.

O Papa não vai perdoar os pecados pelo twitter durante a Jornada Mundial da Juventude. É o que esclarece à Renascença o padre Francisco Senra Coelho, professor do Instituto Superior de Teologia de Évora.

O sacerdote admite que a vontade que muitos têm em ver novidade em tudo o que Papa faz pode ter conduzido a uma má interpretação do Decreto que concede a indulgência plenária aos participantes nas Jornadas do Rio de Janeiro, e aos que acompanham o encontro à distância, através da rádio, televisão e dos novos meios de comunicação.

O padre Senra Coelho sublinha que o Decreto não traz novidades. A indulgência implica sempre que o cristão se confesse, comungue e reze pelas intenções do Papa, ou seja, que esteja em união com a Igreja: “A indulgência é para os baptizados que estão na graça de Deus, que participam no sacramento da confissão, que estão perdoados dos seus pecados graves, que comungam, que estão unidos ao Papa. E estes pontos que são referidos são essenciais para que tenhamos uma comunhão com a Igreja.”

“Isto não é automático, isto é verdade de vida. E a confissão está sempre presente, é impensável fazer a confissão, ou seja, o perdão do pecado, através do twitter, do telefone ou na net, isso não acontece. Não é por e-mail nem por telefonema que se é absolvido, isso é claro no código do direito canónico. Agora, estando em união com o Papa, isto não tem nada de novo, pode-se receber espiritualmente a indulgência plenária em outros momentos da vida da Igreja.”

A Igreja ensina que aos pecados cometidos corresponde a culpa, mas também a uma pena, que deve ser cumprida no purgatório antes de se poder entrar no Céu. A confissão sacramental absolve a culpa, mas deixa a pena. Esta pode ser eliminada ou reduzida através de indulgências.

As indulgências podem ser recebidas em nome próprio ou em nome de outra pessoa, incluindo falecidos, que o penitente escolha.

O padre Senra Coelho explica que a própria confissão nunca poderá deixar de ser feita presencialmente, perante um sacerdote. Não faz por isso sentido falar em perdão através do twitter: “Não, isso não pode acontecer. Pelo menos segundo a disciplina que a Igreja tem neste momento, isso exigiria mudanças muito grandes e eu não antevejo isso. O encontro pessoal com o sacerdote, com o presbítero ou com o bispo, que torna presente Cristo bom pastor e misericordioso, é importante. Não há sacramentos sem pessoas, a pessoas que recebe o sacramento e aquele que em nome da Igreja celebra sacramento.”

Em relação às notícias que têm surgido na imprensa, ao longo do dia, dando a entender que o Papa vai perdoar os pecados através do twitter, o padre Senra Coelho lamenta a confusão criada: “Não vejo qualquer verdade nisso, penso que isso é um grave equívoco espero que seja um equívoco involuntário e não seja uma desinformação”.

O Papa decidiu conceder indulgências a todos que viverem a próxima Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, ou que acompanhem "espiritualmente" as celebrações "através da televisão e rádio ou, sempre com a devida devoção, através dos novos meios da comunicação social".

O Decreto, assinado a 24 de Junho, foi publicado a 2 de Julho.