Tempo
|

Mais um cristão assassinado na região do Sinai, no Egipto

11 jul, 2013

Os atentados a cristãos são uma forma de vingança por parte destes grupos pelo envolvimento dos líderes da comunidade copta no golpe que derrubou o Governo de Mohamed Morsi.

Um mercador cristão de 60 anos foi encontrado morto na região do Sinai, no Egipto.

As autoridades suspeitam que Magdy Habashi, que foi decapitado, tenha sido vítima de militantes islamistas.

Trata-se do segundo caso de homicídio de um cristão naquela região no espaço de dias, depois de um sacerdote ortodoxo ter sido baleado durante a semana passada.

A região do Sinai tem forte presença de grupos islamistas fundamentalistas. Os atentados a cristãos são uma forma de vingança por parte destes grupos pelo envolvimento dos líderes da comunidade copta no golpe que derrubou o Governo de Mohamed Morsi, que era apoiado pela Irmandade Muçulmana.

O líder dos Coptas ortodoxos, Papa Tawadros II, tomou posição publicamente a favor dos protestos contra Morsi e do golpe militar que o derrubou. Os coptas, como são conhecidos os cristãos do Egipto, queixavam-se há muito tempo de um aumento de perseguição e discriminação durante a vigência do Governo da Irmandade Muçulmana, que venceu as primeiras eleições democráticas no país desde o fim do regime de Mubarak, em 2012.