Tempo
|

Bono diz que “ou Jesus era quem dizia, ou era louco”

24 jun, 2013

Para o vocalista dos U2, um dos músicos mais populares do planeta, o Rei David é um bom exemplo de “blues” e Jesus de “punk rock”.

O músico Bono Vox, da banda irlandesa U2, parafraseou o autor inglês C.S. Lewis, durante uma entrevista, ao dizer que Jesus Cristo ou era Filho de Deus, ou era louco.

“Quando as pessoas dizem que ele era um bom mestre, um profeta ou um tipo muito porreiro... Não era assim que Jesus se descrevia. Por isso temos de enfrentar este desafio. Ou Jesus era quem dizia que era, ou então era completamente louco”.

Confrontado com estas duas hipóteses, o vocalista, um dos mais populares do planeta, não hesita: “Eu acredito que Jesus era filho de Deus. Compreendo que para algumas pessoas isso possa parecer ridículo, e temos de respeitar muito essas pessoas”, insistiu.

As declarações foram feitas durante uma entrevista, nos Estados Unidos, com o director-geral da organização Focus on the Family, uma organização cristã. A entrevista será transmitida num programa de rádio da organização na terça-feira, dia 25, mas a Religion News Service adiantou alguns dos pormenores da conversa.

Salmos poderosos
Bono aproveitou para falar também da Bíblia em termos musicais. “David era músico, por isso é claro que gosto dele. O que os salmos têm de poderoso é que para além de serem ‘gospel’ e cânticos de adoração, são também ‘blues’. É muito importante os cristãos serem honestos com Deus. Normalmente Deus está muito mais interessado em quem nós somos do que em quem gostaríamos de ser”.

Quanto a Jesus, o artista recorre à passagem no capítulo 9º do Evangelho de Lucas, em que Jesus diz a um homem para não esperar para sepultar o seu pai, mas para O seguir imediatamente. “Parece-me uma atitude punk rock. Ele viu directamente o coração daquele homem. Percebeu que ele não o ia seguir, que era só fachada. Temos de ser mais extremos, não procurar tanto os sinais exteriores de rectidão. Ver as acções”.

Bono nasceu na Irlanda, filho de pai católico e mãe protestante. O cantor foi educado na Igreja da Irlanda, ramo da Igreja Anglicana. Todos os membros dos U2 são cristãos e a banda, no seu início era considerada do género da música cristã contemporânea. Apesar do seu enorme sucesso, sendo hoje uma das mais famosas e populares do mundo, os membros nunca perderam as suas referências cristãs e várias das suas músicas têm mensagens nesse sentido.