Tempo
|

Terceira noite de motins em Estocolmo

22 mai, 2013

Centenas de jovens protestam contra o Estado e as autoridades após a morte de um homem de 69 anos às mãos da polícia na semana passada.

São os piores motins registados em Estocolmo, capital da Suécia, nos últimos anos. Há três noites que grupos de jovens saem à rua em protesto.

A polícia já tem registo de, pelo menos, 30 carros incendiados, duas escolas vandalizadas e vários outros danos em edifícios públicos.

Os motins terão sido motivados pela morte de um homem de 69 anos, abatido pela polícia depois de se ter barricado em casa com um machado na mão. Ao saber que se encontrava outra pessoa no apartamento, os agentes entraram e acabaram por abater o suspeito, levando a acusações de brutalidade policial.

Organizados por um movimento juvenil chamado "Megafonen", que actua no bairro imigrante de Husby, os protestos rapidamente degeneraram em violência, que continua, todas as noites, há três dias seguidos.

Cerca de 80% da população de Husby é imigrante, nomeadamente de países islâmicos e do Médio Oriente, como o Iraque, Líbano, Somália e Turquia.

As tensões entre comunidades imigrantes e a sociedade sueca são comuns e têm piorado ao longo dos últimos anos, à medida que o Governo tem diminuído a política de subsídios generosos, levando ao crescimento da desigualdade social e da pobreza nos bairros periféricos da capital.