Tempo
|

Atentado contra mesquita na Síria

21 mar, 2013

Entre as vítimas está um dos principais clérigos sunitas, Mohammed al-Buti, apoiante do presidente Bashar al-Assad.

Pelo menos 15 pessoas morreram esta quinta-feira em Damasco, capital da Síria, em resultado de uma explosão numa mesquita.

A televisão estatal adianta ter-se tratado de um atentado suicida e que entre as vítimas mortais está um dos principais clérigos sunitas, Mohammed al-Buti, apoiante do presidente Bashar al-Assad.

Al-Buti era um crítico do movimento rebelde que pegou em armas para derrubar o regime de Damasco. Num dos seus sermões das sextas-feiras, chegou a apelidar os revoltosos de “escumalha”. O seu apoio tem sido fundamental para o regime, uma vez que a maioria dos rebeldes são também da confissão sunita, maioritária no país. Contudo, a espinha dorsal do regime é composto por elementos da minoria alauíta, um ramo do Islão Xiita.

Al-Buti, de 84 anos, é sem dúvida a mais importante figura religiosa a perecer no conflito sírio.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, que tem uma rede de activistas espalhados pelo país, confirma que cerca de 15 pessoas morreram na explosão registada numa mesquita de Damasco.

O Observatório ainda não conseguiu apurar se o rebentamento foi provocado por um carro armadilhado ou por um morteiro.

[Notícia actualizada às 11h06 de 22-3-2013]