Tempo
|

Marcelo Rebelo de Sousa

“Pode-se acreditar no ministro das Finanças?”

06 nov, 2011

A pergunta do comentador foi deixada na TVI onde analisou ainda a abstenção do PS no Orçamehnto do Estado.

“Pode-se acreditar no ministro das Finanças?”

Marcelo Rebelo de Sousa pergunta se há motivos para dar credibilidade e acreditar em Vítor Gaspar, o ministro das Finanças.

Lembra o comentador da TVI que, primeiro, o ministro disse que era preciso cortar dois subsídios (de Natal e de férias) e que não havia folga orçamental, mas, afinal, agora, a pedido do PS, parece que já não é preciso. “As pessoas ficam a pensar”.

Diz Marcelo que, quer o primeiro-ministro, Passos Coelho, quer o ministro das Finanças, vieram garantir que a única solução era o corte dos dois subsídios. Afinal, a dúvida instala-se.

“É verdade? Enganaram-se nas contas ou aquilo não era exactamente assim? Era para exagerar ou meter medo? Ou a situação melhorou espectacularmente em termos orçamentais – e isso é boa notícia – ou então lança-se o balão para assustar o povo e depois recua-se um bocadinho”.

O antigo líder social-democrata acrescenta que a confirmar-se que, afinal, só vai haver um corte, isso são boas notícias para os portugueses.

Entretanto, mais do que nunca, os políticos portugueses têm de mostrar que não são como a classe política grega, acrescenta Marcelo Rebelo de Sousa.

O comentador da TVI sublinha que esta deve ser uma prioridade nesta altura, a bem da imagem de Portugal. “Os políticos portugueses devem fazer os impossíveis para mostrarem que são diferentes dos políticos gregos. Essa é a grande aposta nos próximos tempos. Ninguém gosta do Orçamento do Estado. Eu também critiquei o Orçamento mas, como um todo, como um pacote, tem que ser nesta fase, nem que seja para rever oportunamente o acordo com a troika”, disse.

Rebelo de Sousa diz que o PS decidiu a abstenção no voto do Orçamento do Estado devido ao que está a acontecer na Grécia.