Tempo
|

François Hollande: França em "choque" com "acto de crueldade excepcional"

07 jan, 2015

Presidente francês reage ao atentado no jornal "Charlie Hebdo" que matou 12 pessoas. Anunciou o reforço da segurança noutros órgãos de comunicação social.

François Hollande: França em "choque" com "acto de crueldade excepcional"
Presidente francês reage ao atentado no jornal "Charlie Hebdo" que matou 11 pessoas. Anunciou o reforço da segurança noutros órgãos de comunicação social.

O ataque desta quarta-feira contra o jornal satírico “Charlie Hebdo” foi um "acto de crueldade excepcional" e deixou a “França em choque”, declarou o Presidente François Hollande.

“Estamos a viver um momento extremamente difícil. Nas últimas semanas houve muitos atentados terroristas. Sabíamos que estávamos sob ameaça, como outros países do mundo", afirmou o chefe de Estado, que se deslocou ao local da tragédia. 
 
François Hollande refere que a França está sob constante ameaça, porque é um "país livre e da liberdade". 

O Presidente não tem dúvidas de que o ataque contra o jornal "Charlie Hebdo" se trata de um atentado terrorista. Garante que os agressores vão ser punidos. 

As autoridades colocaram a cidade de Paris em alerta máximo de segurança, face à possibilidade de novos atentados. As instalações de 40 órgãos de comunicação social contam com medidas de segurança reforçadas e as escolas foram encerradas, como medida de precaução.

Pelo menos 12 pessoas morreram e 20 ficaram feridas num tiroteio registado na sede do semanário, em Paris, avança a polícia francesa. O ataque aconteceu pelas 11h30 locais.

Os ministros do Interior, Bernard Cazeneuve, e o da Cultura, Fleur Pellerin, também já se deslocaram ao local da tragédia. "Estamos perante um acto terrorista", declarou o ministro do Interior aos jornalistas. Foi agendada para as 14h00 uma reunião do Governo no Palácio do Eliseu.

O primeiro-ministro britânico, David Cameron, já condenou o atentado e diz que está ao lado da França no combate ao terrorismo.