Tempo
|

Adolescentes israelitas encontrados mortos

30 jun, 2014

Três jovens estavam desaparecidos desde 12 de Junho, na Cisjordânia.

Adolescentes israelitas encontrados mortos

Três adolescentes israelitas, que estavam desaparecidos há quase três semanas, foram esta segunda-feira encontrados mortos na Cisjordânia.

“Foram raptados e assassinados a sangue frio por animais. O Hamas é o responsável e vai pagar”, declarou o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, depois de os corpos terem sido descobertos por militares na aldeia de Halhoul, a norte de Hebron.

As forças de segurança, citadas pelos media, confirmaram a identidade dos três jovens seminaristas, que eram procurados desde 12 de Junho.

A última vez que foram vistos, Gil-Ad Shaer e Naftali Fraenkel, de 16 anos e dupla nacionalidade israelita e norte-americana, e Eyal Yifrah, de 19 anos, estavam a pedir boleia nas proximidades de um colonato judaico, em Hebron, na Cisjordânia.

O gabinete de segurança de Israel convocou para esta segunda-feira uma reunião de emergência, avança a estação de televisão Al-Jazeera.

O Governo israelita acusou o movimento palestiniano Hamas de estar envolvido no rapto dos adolescentes, algo que o grupo não negou nem confirmou.

Após o desaparecimento, as forças de segurança desencadearam uma grande operação para tentar encontrar os jovens, realizando buscas e dezenas de detenções em cidades e aldeias, sobretudo, na zona de Hebron.

Desde o início desta operação, cerca de 40 rockets foram disparados contra Israel a partir da Faixa de Gaza, de acordo com o Exército judaico.

Vaticano condena "crime hediondo"
A morte dos três adolescentes israelitas é um crime “hediondo e inaceitável” e um obstáculo à paz no Médio Oriente, afirma o Vaticano, em comunicado.

O Papa Francisco, que visitou a Terra Santa em Maio e organização uma oração pela paz na região, está ao lado das famílias das vítimas neste momento de “dor indiscritível”.

O Presidente norte-americano também expressou as suas condolências. Barack Obama pede calma a israelitas e palestinianos e espera que seja possível evitar uma escala de tensão na região.

“Os Estados Unidos condenam nos termos mais fortes possíveis o acto de terror sem sentido contra jovens inocentes”, refere Obama, em comunicado.

Os Estados Unidos oferecem ajuda para tentar encontrar os responsáveis pela morte dos três adolescentes.

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban ki-Moon, também já condenou o que apelidou de “acto hediondo cometido por inimigos da paz”.

[notícia actualizada às 22h22]