Tempo
|

Kasparov compara Putin a Hitler e Saddam

18 mar, 2014 • João Pedro Vitória

Se o Ocidente não reagir à anexação da Crimeia, os países vão perceber que só estão seguros com armas nucleares, diz o antigo campeão de xadrez e opositor político de Vladimir Putin, de visita a Lisboa.

Kasparov compara Putin a Hitler e Saddam
O antigo campeão mundial de xadrez, Garry Kasparov, conhecido opositor de Vladimir Putin, considera inaceitável a anexação da Crimeia pela Rússia.

De passagem por Lisboa, Kasparov pede ao mundo ocidental uma reacção forte contra Moscovo, compara Putin a Hitler e a Saddam Hussein, e diz mesmo que a presente crise pode não parar na Crimeia.

Kasparov é um dos mais conhecidos opositores de Vladimir Putin e tentou mesmo defrontar o Presidente em eleições há cinco anos, uma ousadia que lhe valeu quatro dias de prisão.

Há quase um ano sem regressar à Rússia, considera inaceitável a anexação da Crimeia e receia que estejamos de regresso a 1938.

"Acredito que é absolutamente vital mostrar vontade política. Porque não podemos aceitar, no século XXI, que alguém aja como um rufia e leve o mundo à beira de outra grande guerra. A não ser que a reacção seja forte, receio que Vladimir Putin não pare na Crimeia. Como ele já afirmou, a Rússia consideraria que o Sul e o Leste da Ucrânia seriam parte da restauração da União Soviética, e agora há notícias de movimentos separatistas na Moldávia que querem juntar-se à Rússia. É uma instabilidade global. Estamos de volta a 1938 no calendário político", alerta.

"Desde 1945 que ninguém, excepto Saddam Hussein, anexou território dos Estados vizinhos", refere. "Houve muitas guerras, exércitos que atravessaram fronteiras para cá e para lá, mas anexação foi apenas o Kuwait. Anexação é o 'Anschluss', a Áustria, os Sudetas e as guerras de Hitler. E depois Saddam Hussein, e agora Vladimir Putin. E a forma como foi feita pede uma resposta porque se nada for feito, então tudo é permitido. A ideia de União Europeia, que se baseia no consenso, na negociação, pode acabar."

Sanções
Kasparov defende que o mundo ocidental deve impor sanções severas a Moscovo, pese embora os efeitos colaterais na Europa: "Há algumas coisas que o mundo livre pode fazer. Pode visar os oligarcas russos, e falamos de centenas de milhares de milhões de dólares em fortunas espalhadas pelo mundo. As companhias estatais russas, como a Gazprom, estão dependentes dos créditos ocidentais, e há os bens do Estado russo, como reservas em moeda nos Estados Unidos e na Europa”.

"Por isso há muitas maneiras de responder, e embora eu perceba que as sanções têm sempre efeitos mútuos — e haveria efeitos negativos para a Europa — o prejuízo seria incomparável: a economia russa não sobreviveria", garante Kasparov.

Corrida nuclear?
Kasparov, outrora símbolo da União Soviética, rejeita as palavras do seu último líder, Mikhail Gorbachov, que na passada segunda-feira afirmou que o povo da Crimeia tinha corrigido em referendo um erro histórico com 60 anos e oferece outra leitura: a crise da Ucrânia pode provocar outra corrida às armas nucleares.

"Não nos esqueçamos que a integridade territorial da Ucrânia foi garantida pela Rússia, pelos Estados Unidos e pelo Reino Unido em troca das armas nucleares ucranianas, em 1994. Por isso, se a América e o Reino Unido não reagem, qual é o valor das assinaturas? Esta deveria ser a derradeira linha vermelha. Todos os outros Estados reconhecem agora que as armas nucleares são a única forma de protecção, e certamente que a Ucrânia vai tentar reconstruir as suas armas. E o Irão, como podemos dizer ao Irão para deixar as suas armas nucleares se se vê que esta é a única protecção no mundo?"

Garry Kasparov, de passagem por Lisboa, diz que fixou residência em Nova Iorque e que só voltará à Rússia quando Putin deixar o poder.

Tudo o que precisa saber sobre a Crise na Crimeia