RR
|

Portugal “continua a ser a lavandaria privilegiada” da elite angolana

08 nov, 2013 • Henrique Cunha

Rafael Marques continua a deixar críticas ao Governo angolano, mas nem o Executivo português escapa.

O jornalista Rafael Marques diz que Portugal continua a ser a lavandaria privilegiada dos actos de corrupção da elite angolana.

“A corrupção neste caso tem o corrupto e o corruptor e aqui vemos que Portugal continua a ser a lavandaria privilegiada dos actos de corrupção da elite angolana”, disse.

Em entrevista à Renascença, Rafael Marques garante que nada mudou nas relações entre Portugal e Angola, apesar da suspensão da cimeira entre os dois países que estava marcada para Fevereiro. Houve, em seu entender, apenas, um esfriamento ao nível do discurso político.

O jornalista angolano reforça a sua tese, acusando ao mesmo tempo a classe politica portuguesa. Ainda assim, Rafael Marques aplaude o Ministério Público português, apesar da investigação ainda não ter resultado em acusações.

Rafael Marques recebe esta sexta-feira, em Berlim, o prémio “Integridade”, um galardão da Transparency International destinado a distinguir personalidades ou organizações que se tenham notabilizado na luta anti-corrupção.

O jornalista dedica o prémio integridade a Nito Alves, jovem jornalista de 17 anos preso desde Setembro por alegadamente ter insultado o Presidente José Eduardo dos Santos.

Lançado em 2000, o prémio, que não tem valor monetário, já distinguiu organizações e indivíduos, incluindo jornalistas, magistrados, responsáveis governamentais e líderes da sociedade civil.