Tempo
|

Um jogo de cartas para aprender a comunicar

07 mai, 2015 • Olímpia Mairos

Associação transmontana lança linha de material lúdico-didáctico inclusivo. O jogo pode ser usado por todas crianças, mas também ajudar na reabilitação de adultos que tenham sofrido, por exemplo, um AVC.

Um jogo de cartas para aprender a comunicar
A Associação de Pais e Amigos de Pessoas com Necessidades Especiais - Leque, sediada em Alfandega da Fé, apresentou a primeira linha de material lúdico-didático inclusivo em Portugal.

O projecto EKUI (Equidade, Knowledge, Universalidade e Inclusão) começou a ser idealizado em 2008. Após uma fase de investigação e validação científica foram produzidos dois mil exemplares. Cada unidade terá um custo de 13, 99 euros.

O "EKUI Cards", o primeiro produto da marca, “é constituído por 26 cartas do alfabeto e inclui elementos como o brafema da letra e a letra manuscrita, a letra em braille táctil e braille visual, e letra em dactilologia (alfabeto da língua gestual portuguesa) e alfabeto fonético”, explica à Renascença a criadora Celmira Macedo.

O jogo pode ser usado por todas crianças desde o jardim-de-infância, mas também ajudar na reabilitação de adultos que tenham sofrido, por exemplo, um Acidente Vascular Cerebral (AVC).

Produção na Oficina de Inclusão
Segundo a mentora, uma docente especializada em Educação Especial, o EKUI “é o primeiro produto português com uma estratégia de alfabetização inclusiva, onde todas as pessoas podem comunicar de forma universal” e serve “um conjunto de dois milhões de pessoas só em Portugal”.

“O EKUI garante a equidade no acesso a bens e serviços de educação e reabilitação, nas áreas da comunicação acessível, aprendizagem, literacia/alfabetização e na componente lúdica”, sublinha Celmira Macedo.

Vai ter uma linha de montagem que será operacionalizada na Oficina de Inclusão da Comunidade da associação Leque e a embalagem do produto será realizada pelos utentes do Centro de Atendimento.

O projecto EKUI, resultado do apoio da Fundação EDP, Fundação Montepio, Missão Sorriso e dos Municípios de Alfândega da Fé e Mogadouro, recebeu, por parte do Instituto de Empreendedorismo Social, o Selo Es+, que o distingue como uma iniciativa de Elevado Potencial de Empreendedorismo Social.