Tempo
|

Nobre dos Santos diz que há condições para avançar com greve geral

30 mai, 2013

Dirigente da Frente Sindical da Administração Pública recorda que esta sexta-feira serão dadas novidades sobre a greve da função pública, que deverá acontecer a 27 de Junho.

Nobre dos Santos considera que há condições para as duas centrais sindicais avançarem para uma greve geral. O dirigente da Frente Sindical da Administração Pública (FESAP) e secretário-geral adjunto da UGT manifestou grande vontade de avançar para a greve geral, em convergência com a CGTP. Por sua vontade, disse, fazia o anúncio já amanhã.

O sindicalista recordou que “a CGTP tem a comissão nacional amanhã e certamente haverá mais novidades”, considerando, no entanto, que o que falta para uma greve geral “é fazê-la. É só isso, mais nada”.

Sobre a data de 27 Junho, avançada como possível para a greve apenas na função pública, Nobre dos Santos disse, à margem da conferência “Libertar Portugal da Austeridade”, que “todas as datas são boas quando há unidade na acção, quando os trabalhadores querem lutar”.

As últimas propostas do Governo, apresentadas no início do mês pelo primeiro-ministro, incentivaram a unidade na acção entre as estruturas sindicais da UGT e da CGTP, como já não acontecia há algum tempo.

A redução salarial, o aumento do horário de trabalho semanal das 35 paras as 40 horas, o aumento dos descontos para a ADSE, um novo sistema de mobilidade especial com limite de permanência e possibilidade de perda de vínculo laboral e a redução de trabalhadores por rescisão por mútuo acordo são os motivos da contestação.

As estruturas sindicais da administração pública afectas à UGT e à CGTP já chegaram a acordo para realizar uma greve conjunta no final de Junho. Segundo confirmaram à Renascença diversas fontes sindicais, a data mais provável para a greve é 27 de Junho.