Tempo
|

Pedro Silva Pereira diz que PS ainda não é alternativa

22 jan, 2013 • Raquel Abecasis

"Braço direito" de José Sócrates quer congresso do PS o mais rápido possível. Socialista critica ainda o discurso de ano novo de Cavaco Silva.

Pedro Silva Pereira diz que PS ainda não é alternativa
Pedro Silva Pereira diz que PS ainda não é alternativa
Em entrevista ao programa "Terça à Noite" da Renascença, Pedro Silva Pereira diz que “se o PS antecipa um conjunto de riscos para a estabilidade politica e se acha que é necessário acelerar os calendários para estar preparado, então também conviria que o congresso pudesse realizar-se tão rápido quanto possível”. O braço direito do governo de José Sócrates desvalorizou ainda o anunciado regresso aos mercados e aconselhou o governo a seguir o exemplo dos Irlandeses na defesa dos interesses naciona

Pedro Silva Pereira defende "que o Partido Socialista precisa de fazer mais para se apresentar como uma alternativa credível". Em entrevista ao programa "Terça à Noite", da Renascença, o deputado do PS, que foi "braço direito" de José Sócrates, sustenta que, nestas circunstâncias, o congresso electivo do partido deverá ser antecipado.

"Se o PS antecipa um conjunto de riscos para a estabilidade política e se acha que é necessário acelerar os calendários para estar preparado, então também conviria que o congresso pudesse realizar-se tão rápido quanto possível."

Pedro Silva Pereira critica também o discurso de ano novo de Cavaco Silva. O socialista considera que "não é função do Presidente da República posicionar-se em relação à governação", porque "isso potencia conflitos" e retira-lhe margem de manobra para o exercício das suas funções.

Depois de desvalorizar o papel da estratégia do Governo no regresso aos mercados, Pedro Silva Pereira aconselha o Executivo a seguir o exemplo dos irlandeses na defesa dos interesses nacionais e acrescentou que "o relatório do FMI não dá respeitabilidade à organização".