Tempo
|

Vitória do PS "sabe a pouco", diz Costa

26 mai, 2014

Autarca socialista comenta resultado das europeias em que os socialistas venceram com 31,4% dos votos.

Vitória do PS "sabe a pouco", diz Costa

O presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, considera que todos os socialistas devem estar alegres com a vitória nas europeias, mas também preocupados porque nas legislativas não podem voltar a ter "uma vitória que sabe a pouco".

"O PS ganhou, todos socialistas devem estar alegres com esta vitória, mas preocupados com o que é necessário fazer para que a próxima vitória não saiba a pouco", afirmou António Costa, no programa "Quadratura do Círculo", da SIC Notícias.

Num comentários às eleições para o Parlamento Europeu de domingo, onde o PS alcançou 31,4% dos votos, contra cerca de 27,7% da coligação Aliança Portugal (PSD/CDS), António Costa gracejou não ter ficado em "choque" com os resultados porque a sua "costela indiana" lhe dá "nervos de aço", mas considerou que o partido tem de se preocupar pelo facto da "derrota histórica da direita não ter correspondido a uma vitória histórica do PS".

"O PS nas próximas eleições legislativas não pode voltar a ter uma vitória que sabe a pouco", frisou.

"Desafio para o PS"
Insistindo que o PS "não pode enfiar a cabeça na vitória", o socialista, que chegou a equacionar concorrer à liderança do partido, disse ser necessário olhar para os resultado com "frieza", notando que o partido ficou cinco pontos atrás dos resultados das eleições autárquicas realizadas há oito meses.

António Costa notou ainda que os eleitores mostraram nas europeias de domingo que "não querem este Governo, esta política e esta maioria", mas ainda "não disseram claramente o que querem".

"É um desafio para o PS, que tem de resolver esta situação até às legislativas", sustentou, considerando que o partido tem de saber o que é preciso fazer para "dar o salto" nas próximas eleições.

Augusto Santos Silva, ex-ministro socialista, também relativizou a vitória do PS nas europeias. O partido ainda tem "muito trabalho pela frente", defendeu na TVI24.