Tempo
|

Conclave sem data por falta de cardeais

04 mar, 2013 • Aura Miguel, em Roma, com agências

Cardeais vão procurar informar-se melhor sobre os escândalos que têm afectado a Santa Sé nos últimos anos.  

Conclave sem data por falta de cardeais

A primeira congregação geral, que reúne todos os cardeais, eleitores ou não, realizou-se hoje em Roma, sem que tenha sido definida a data para o início do Conclave, que vai eleger o próximo Papa.

A decisão apenas pode ser tomada quando estiverem presentes todos os cardeais eleitores, o que ainda não aconteceu. Segundo o director da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, na reunião de hoje estavam presentes apenas 103 cardeais. Há 117 que reúnem as condições para votar no Conclave, embora dois já tenham dito que não vão estar presentes, pelo que o número fica reduzido a 115.

Hoje, à entrada para a congregação geral, vários cardeais falaram com a imprensa e um dos temas mais levantados foi a questão do escândalo Vatileaks. Uma comissão formada por três cardeais, nenhum dos quais eleitores, entregou em Dezembro um dossier sobre o assunto a Bento XVI, resultante de uma investigação, mas o mesmo está sob segredo pontifício. Contudo, alguns cardeais manifestaram interesse em saber mais pormenores sobre o que se passou verdadeiramente nesse caso.

“Se queremos tomar uma boa decisão, teremos que ter alguma informação sobre isso”, disse o cardeal sul-africano Wilfrid Napier aos jornalistas, à margem da primeira congregação de cardeais.

Sobre se a Cúria romana, o governo central da Igreja católica, devia ser reformada, Napier afirmou: “Naturalmente isso também vai ser tema de debate”.

Ao sair da primeira sessão da manhã, o cardeal francês Philippe Barbarin considerou que os cardeais “querem saber o que se passa dentro do Vaticano”.

Também o cardeal arcebispo de Paris Andre Vingt-Trois expressou a mesma opinião: “Vamos estar aqui esta semana e alguns dias da próxima semana. Levaremos o tempo que for necessário para determinar o tipo de papa de que precisamos”.

O padre Lombardi confirmou aos jornalistas que este deve ser um dos temas a debater nestes dias: “Há as reuniões das congregações gerais, e há os contactos e diálogos que os vários cardeais fazem entre eles. Certamente poderá haver membros do colégio cardinalício interessados em saber informações que considerem úteis ou pertinentes sobre a situação da Cúria, ou da Igreja em geral e poderão pedir aos seus colegas que os informem do assunto. É uma possibilidade, no quadro dos procedimentos destes dias”.

Neste dia foi também decidido enviar uma mensagem a Bento XVI, Papa emérito, mas o documento ainda não foi elaborado.

A primeira Congregação Geral ficou ainda marcada pela tentativa de infiltração de um homem que se disfarçou de clérigo. O australiano Ralph Napierski ainda conseguiu estar alguns minutos dentro do Vaticano ao pé dos cardeais verdadeiros, e cumprimentou alguns, mas passado alguns minutos foi descoberto e conduzido para fora dos portões.