Tempo
|

Papa vai ficar "oculto do mundo"

14 fev, 2013

O director da sala de imprensa da Santa Sé já tinha dito categoricamente que Bento XVI não iria desempenhar qualquer papel na administração da Igreja.

Papa vai ficar "oculto do mundo"
Papa vai ficar "oculto do mundo"
Num encontro com os padres da diocese de Roma, Bento XVI fez um discurso improvisado de 45 minutos e, logo a começar, prometeu que se manterá próximo de todos, mesmo que longe da vista.
O Papa deu a entender esta quinta-feira que a partir do dia da sua resignação irá manter-se “oculto do mundo”.

Num encontro com os padres da diocese de Roma Bento XVI falou durante 45 minutos de improviso, prometendo manter-se próximo de todos, mesmo que longe da vista.

“Estou muito grato pela vossa oração, como disse ontem senti quase fisicamente, ainda que eu me retire agora em oração, estarei sempre próximo de todos vós e tenho a certeza que também vós vos mantereis perto de mim, mesmo que aos olhos do mundo eu permaneça oculto”, afirmou.

O director da sala de imprensa da Santa Sé já tinha dito categoricamente que Bento XVI não iria desempenhar qualquer papel na administração da Igreja e que irá viver para um mosteiro que está a ser remodelado, dentro do Vaticano.

Parece assim provável que o Papa se dedique a uma vida de oração e reflexão e que não volte a comparecer em público depois da sua renúncia, até porque isso seria uma situação muito peculiar, depois da eleição do seu sucessor.

Durante o resto do encontro Bento XVI falou livremente sobre o Concílio Vaticano II, no qual participou como perito, voltando a defender que os textos do concílio só podem ser lidos à luz da tradição da Igreja e nunca de um ponto de vista de ruptura.

O Papa acusou os meios de comunicação social de interpretar tudo pela óptica do poder e de terem deturpado o significado do concílio, contribuindo para a crise que afectou a Igreja nos anos seguintes.

"Sabemos como este concílio dos media se tornou acessível a todos, dominante, e criou tantas calamidades, tantos problemas, tantas misérias. Seminários fechados, conventos fechados, liturgia banalizada, o verdadeiro concílio teve dificuldades em se concretizar e realizar porque o concílio virtual era mais forte que o real."
 
"Mas a autêntica força do concílio estava presente e a pouco e pouco vai-se realizando, torna-se a verdadeira força da verdadeira renovação da Igreja. Parece-me que 50 anos depois do concílio vemos como aquele concílio virtual desmorona e perde-se", disse Bento XVI.

[Notícia actualizada às 16h40]