|

Matteo Renzi

A "selfie" da Europa tem "uma cara cansada e resignada"

02 jul, 2014 • Marina Pimentel, em Estrasburgo

"É preciso reencontrar o ânimo europeu", disse PM italiano na apresentação do programa da presidência rotativa da UE.

A "selfie" da Europa tem "uma cara cansada e resignada"

O primeiro-ministro italiano fez levantar o plenário do Parlamento Europeu com um discurso em que apelou à afirmação dos valores que fazem parte da matriz civilizacional europeia. Para Matteo Renzi, chegou a altura de levantar os ânimos da Europa.

No discurso de apresentação do programa da presidência italiana da União Europeia, realizado esta quarta-feira em Estrasburgo, Renzi afirmou que "se a União Europeia fizesse uma 'selfie' neste momento, veríamos uma cara cansada e resignada." 

"É preciso reencontrar o ânimo europeu", algo que a Itália quer ajudar a fazer durante a sua presidência, anunciou. O chefe do Governo italiano tem criticado a imposição de políticas de austeridade, mas sublinhou que não quer impor a mudança, mas ajudar na mudança.

Sem dar qualquer indicação concreta do que vai tentar implementar nesta matéria, lembrou que o tratado orçamental (pacto) não é só de estabilidade, mas também de crescimento.

A crise da Zona Euro deixou uma "profunda ferida na Europa", sentenciou ainda.

Europa tem de afirmar valores
Matteo Renzi defendeu também que a Europa tem de afirmar os seus valores quer interna e quer externamente. Argumenta que a União Europeia não pode limitar-se a comentar violações dos direitos humanos e crises humanitárias com frases feitas - tem de se indignar de cada vez que, algures no mundo, são violados valores que fazem parte da sua matriz civilizacional.
 
Referindo-se à Ucrânia, Renzi disse conseguir "ouvir a voz do leste a chamar pela liberdade, a chamar pela Europa". Sobre o conflito no Médio Oriente, defendeu que a UE tem de fazer mais pelos direitos dos palestinianos.

Matteo Renzi tem dado que falar na União Europeia. Admirado pela capacidade de comunicação, o primeiro-ministro italiano acarreta grandes expectativas. No rescaldo das eleições europeias, no programa "Fora da Caixa", Pedro Santana Lopes e António Vitorino gabaram-lhe o "talento" e a imagem de "carta fora do baralho".