D. Jorge Ortiga

Corte nas pensões "torna cada vez mais difícil viver em Portugal"

10 jan, 2014

Cortes iniciam-se nos 1.000 euros brutos, quando antes começavam nos 1.350.
Corte nas pensões "torna cada vez mais difícil viver em Portugal"

O arcebispo de Braga e presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, D. Jorge Ortiga, afirmou esta sexta-feira que se torna cada vez mais difícil viver em Portugal, ao comentar o facto de a Contribuição Extraordinária de Solidariedade (CES) sobre as pensões passar a abranger valores mais baixos.

"Evidentemente que viver em Portugal se torna cada vez mais difícil. E, por muitas razões que os nossos políticos encontrem para estas medidas, eu interrogo-me se não será possível fazer as coisas de outra maneira e encontrar também outros modos onde se possa descobrir aquilo que faz falta para cumprir as obrigações que o Estado Português tem", afirmou o prelado.

"Estamos a enveredar só num caminho de corte de ordenados e de pensões, não sei se é o único, estou convencido que não será, que há outros caminhos", sustentou D. Jorge Ortiga, à margem das Jornadas Nacionais da Pastoral do Turismo, que decorrem até sábado em Fátima. 

A CES, que vai passar a ser aplicada às pensões superiores a 1.000 euros (antes, a CES começava a ser aplicada a partir dos 1.350 euros), afecta mais de 400 mil pensionistas.