Tempo
|

Jovens estão a fumar mais

31 mai, 2012

Conclusão é de um inquérito europeu, realizado em 90 escolas secundárias do ensino público português, divulgado esta quinta-feira, dia mundial sem tabaco.

Jovens estão a fumar mais

O consumo de tabaco entre os jovens portugueses aumentou, sobretudo na faixa 15/16 anos, revela um inquérito europeu aos comportamentos viciantes em meio escolar, que se realiza de quatro em quatro anos.

A Renascença falou com a coordenadora do estudo em Portugal, Fernanda Feijão, para quem “houve um retrocesso” face a 2007.

“De 2003 para 2007, tinha havido um decréscimo muito acentuado do número de alunos que tinha consumido nos 30 dias antes do estudo e agora volta a haver um aumento, que se situa em valores próximos dos de 2003. E este aumento acontece tanto para rapazes como para raparigas”, indica.

O número total de fumadores diminuiu, mas os regulares fumam mais.

“O que acontece em Portugal é que o número total de fumadores, de pessoas que experimentaram tabaco, diminuiu. Mas, daqueles que experimentaram, há mais a consumir nos 30 dias anteriores à realização do estudo. Ou seja, são menos fumadores, mas os que fumaram fumam mais regularmente. As idades de iniciação são um pouco mais tarde do que anteriormente, mas dos que fumam, há mais a fumar com regularidade”, explica Fernanda Feijão, adiantando que o aumento se verifica “em quase todos os grupos etários a partir dos 15 anos”.

Proibir parece não ser o remédio, diz ainda a responsável, até porque “a adolescência é a idade da transgressão.

O estudo em Portugal foi coordenado pelo organismo que veio substituir o Instituto da Droga e Toxicodependência (SICAD). Abrangeu 90 escolas secundárias do ensino público. O sector privado tem-se mostrado reticente a colaborar nestes inquéritos.

Dos 39 países que participaram na investigação, quase todos europeus, foi em Portugal que os pais mais se opuseram à participação dos filhos. Portugal é, no entanto, o terceiro país onde mais subiu o número de jovens de 15/16 anos que nunca experimentou sequer álcool, tabaco ou drogas: cerca de 20%.

Nos Estados Unidos, país que terá das legislações mais restritivas do mundo, pela primeira vez os jovens dizem agora que é mais fácil fumar canábis do que cigarros.

No consumo de álcool, os jovens portugueses continuam a ser dos que bebem com mais frequência, mas tendem a beber menos de cada vez. Na Dinamarca, 60% dos inquiridos embebedaram-se no último mês, enquanto em Portugal a percentagem é de 22%.

Aqui, a grande novidade é que, apesar de 2001 já ser ano de crise, disparou o consumo de bebidas destiladas, geralmente mais caras – no último inquérito (2007), os jovens portugueses bebiam sobretudo cerveja.