Tempo
|

Médicos dizem “basta” e deixam de fazer mais de 12 horas na urgência

26 ago, 2015

Ordem lembra que estes profissionais "não são robôs e têm uma capacidade de trabalho que não é infinita".

Médicos dizem “basta” e deixam de fazer mais de 12 horas na urgência
Os médicos internos vão deixar de fazer mais de 12 horas nas urgências. A Ordem dos Médicos diz que há profissionais a fazer 24 horas seguidas, situação que põe em causa a segurança, tanto de médicos, como dos doentes.

Depois de muitas denúncias, a Ordem decidiu aprovar já em Setembro, uma deliberação que visa acabar com esta situação como avançou à Renascença o bastonário José Manuel Silva.

“A Ordem entendeu dizer basta! Os médicos não são robôs, são seres humanos e têm uma capacidade de trabalho que não é infinita. Não é possível continuar a tolerar esta situação que está em agravamento, porque os hospitais em vez de contratarem mais médicos para as urgências, preferem sobrecarregar os internos que são mão-de-obra mais barata”, explica.

A deliberação só deve ter efeitos práticos só em Novembro, mas será para cumprir.

O bastonário disse que “não está em causa uma limitação do número de horas por semana, mas uma limitação do número de horas de trabalho contínuo. Portanto, não obriga a que sejam contratados mais médicos, apenas a um pouco mais de trabalho administrativo.”

Há pouco tempo, a delegação sul da Ordem dos Médicos também alertava para o facto destes profissionais estarem esgotados, chamando a atenção para o excesso de horas de trabalho e possível diminuição da qualidade dos cuidados aos doentes.