Tempo
|

Portas comenta taxas do turismo de Costa. “Não matem a galinha dos ovos de ouro”

11 nov, 2014

Presidente da Câmara de Lisboa quer cobrar um euro por entrada em Lisboa e um euro por noite passada na capital.

Portas comenta taxas do turismo de Costa. “Não matem a galinha dos ovos de ouro”

O vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, considerou que aplicar taxas aos turistas para aterrarem e ficarem hospedados em Portugal é "matar a galinha dos ovos de ouro".

"Tenho ouvido por aí um debate sobre taxas turísticas em Portugal. Eu respeito a autonomia do poder local, mas, como tenho responsabilidades na área da coordenação das políticas económicas, acho que devo deixar um alerta: não matem a galinha dos ovos de ouro fazendo, ao mesmo tempo, taxas para dormir, taxas para aterrar e taxas para desembarcar", afirmou esta terça-feira na conferência "Empresas na Caixa", promovida pela Caixa Geral de Depósitos (CGD).

Em causa está o anúncio, na segunda-feira, do presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, de que será cobrada uma taxa de um euro pela chegada de turistas ao aeroporto e ao porto em 2015 e, a partir de 2016, uma taxa do mesmo valor por dormida

Paulo Portas salientou que "o turismo é o sector com melhor comportamento na economia portuguesa neste momento" e "as empresas turísticas estão, finalmente, a levantar a cabeça e a ajudar no emprego".

"O turismo tem 40% de dormidas de nacionais, não é apenas para os estrangeiros", disse Portas, sublinhando que o sector "hoje tem conceitos, como o 'low
cost' e os 'hostels', onde o preço é muito relevante".

Uma taxa "medieval"
O presidente da Câmara de Cascais disse que a nova Taxa Municipal Turística criada pela autarquia de Lisboa é "do tempo medieval".

"É inconcebível como um presidente de câmara decide intervir sobre câmaras vizinhas. Isso é algo que só existia no tempo medieval", afirmou Carlos Carreiras (PSD) à agência Lusa.

"A minha filha que mora no estrangeiro, quando vier a casa, vai ter de deixar um euro em Lisboa. Isso não cabe na cabeça de ninguém", disse
o autarca de Cascais, concelho que regista grande actividade turística.

Carlos Carreiras acusou ainda António Costa de se estar a "esconder atrás do vice-presidente Fernando Medina" e recomendou ao executivo da capital que "se meta na sua vida".

"Eles que façam a gestão da casa deles e não se metam na gestão dos outros concelhos", acrescentou.