Tempo
|

Jihadista português morto na Síria

06 nov, 2014

Sandro “Funa” tinha 36 anos e estava com o Estado Islâmico há nove meses.

Jihadista português morto na Síria

Morreu o primeiro jihadista português na Síria. A informação, avançada pelo “Público”, já foi confirmada à Renascença por fonte da segurança interna.

Sandro “Funa”, de 36 anos, é o cidadão português em causa. A morte terá ocorrido na quarta-feira da semana passada, 29 de Outubro, na sequência de ferimentos graves devido a um bombardeamento aéreo. Terá morrido cerca de nove meses depois de ter entrado na Síria via Turquia.

A família de Sandro “Funa” já terá sido avisada.

O jornal "Público" acrescenta ainda que haverá dois portugueses com alta patente dentro da organização autoproclamada Estado Islâmico.

Sandro "Funa" é o primeiro jihadista português a morrer na Síria, mas um outro já tinha perdido a vida no Iraque. 

Em Maio, foi notícia a morte de Osama Al-Faransi, um combatente islamita no Iraque, luso-descendente com família em Toulouse, em França, e origens em Tondela, que morreu na sequência de um atentado suicida que o próprio terá levado a cabo em Bagdad.

Em entrevista à Renascença, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Rui Machete, revelou existirem 12 a 15 portugueses que estão nas fileiras do movimento radical Estado Islâmico.
 
Rui Machete adiantou, na altura, que "dois ou três" portugueses, sobretudo raparigas, já tinham manifestado às famílias a intenção de regressar a Portugal.

Em declarações posterioress o ministro dos Negócios Estrangeiros avisou que os portugueses que participem em acções do autoproclamado Estado Islâmico serão considerados terroristas e que o seu envolvimento no grupo jihadista não pode ocorrer "de ânimo leve".

Quem são os jihadistas portugueses?

[actualizado às 21h40]