Tempo
|

Lobo Xavier ajuda Estado a divulgar gastronomia portuguesa

29 abr, 2014

Governo criou grupo de trabalho sobre gastronomia, que incluiu outras personalidades, como o presidente da televisão pública, Manuel da Ponte, ou o gastrónomo Bento dos Santos.

Lobo Xavier ajuda Estado a divulgar gastronomia portuguesa

Cozidos e grelhados, doces e salgados, brancos e tintos. A gastronomia portuguesa é rica na sua variedade de ingredientes, paladares e receitas, conquista turistas e agora vai contar com um grupo de trabalho criado pelo Governo, do qual faz parte o advogado e antigo deputado António Lobo Xavier.

De acordo com o despacho publicado esta terça-feira em Diário da República, o grupo de trabalho inicia funções imediatamente e vai preparar um plano “para a divulgação da gastronomia portuguesa através das actividades oficiais”. 

No documento, que deve estar concluído dentro de seis meses, devem constar “as principais estratégias, orientações e medidas concretas", assim como "a discriminação de quantas, de entre elas, possam gerar um previsível aumento da despesa.”

Entre os nomes que integram o grupo de trabalho estão personalidades provenientes áreas tão distintas como a política, advocacia, televisão, gestão, diplomacia, grande consumo e da gastronomia.

Além de António Lobo Xavier, advogado, gestor, antigo deputado do CDS e presidente da comissão de reforma do IRC; dele fazem parte Manuel da Ponte, presidente do conselho de administração da RTP e antigo responsável pela Central de Cervejas; ou o antigo embaixador Seixas da Costa.

O grupo de trabalho vai ser coordenado pelo engenheiro e gastrónomo Bento dos Santos, produtor de vinho e membro da direcção da Academia Internacional de Gastronomia, que  apresentou os programas “Segredos do Vinho”, na SIC, e “O Sentido do Gosto”, na RTP.

O objectivo do Governo é “desenvolver e aprofundar” a importância da gastronomia portuguesa como factor de diferenciação do “tecido económico e cultural nacional”.

O grupo de trabalho, cujos membros não são remunerados, pode realizar as audições que achar necessárias para elaborar o documento a apresentar ao Governo.