Nuno Teotónio Pereira. O "Franjinhas" e as igrejas