“Farmacêuticas têm que saber que não estão a fazer telemóveis ou t-shirts ou botox”