É preciso que o “Governo trate os 400.000 casos que tem em fila de espera neste projeto falhado” da AIMA