“Bancos centrais tardam em apertar na capacidade de concessão de crédito”