Diogo Ayres Campos prefere que não seja necessário recorrer aos privados