Arcebispo de Moscovo. Consagração da Rússia e da Ucrânia é “grande dom” de esperança