​A oração “nunca é inútil” e os sacríficios vencem o mal, diz o número 2 do Vaticano