Como eram as greves da CP há 100 anos? Havia explosões, descarrilamentos e “vagões fantasma”

07 dez, 2018 - 16:25 • João Carlos Malta

Cem anos depois, o tipo de reivindicações até é semelhante, mas, se agora a paralisação dura 24 horas, naquele tempo uma greve chegava a ter dois meses. E os protestos eram tudo menos pacíficos.
A+ / A-

A greve da CP desta sexta-feira deixou milhares de portugueses à beira de um ataque de nervos. Atrasos ao trabalho, viagens marcadas canceladas e trânsito caótico nas grandes cidades. Mas tempos houve em que as greves dos ferroviários tinham consequências muito mais graves. Há cem anos, os protestos não eram de um dia. Duravam dois meses e eram feitos à bomba, com composições descarriladas e “vagões fantasmas”.

Apesar de todas as diferenças, passado um século há um contexto que longe de ser igual tem parecenças: esta sexta-feira, além dos comboios, são os guardas-prisionais e os enfermeiros a parar em protesto.

Manuel Joaquim de Sousa foi uma das figuras de destaque do movimento anarco-sindicalista português e um dirigente sindical importante da I República. Em 1931, escreveu “O Sindicalismo em Portugal”, em que descrevia que, depois da morte de Sidónio Pais e da tentativa de restauração da monarquia ,há um recrudescimento da atividade sindical da União Operária Nacional.

O ambiente de tensão era grande, de norte a sul, com paralisações em várias categorias profissionais, como os tipógrafos e os gráficos, e havia quem já falasse de greve geral em perspetiva.

Esta sexta-feira a greve é motivada pela negociação de melhores condições de trabalho, nomeadamente o cumprimento dos acordos assinados com o Governo e a administração de empresas. Além das atualizações salariais para outubro deste ano, previa a continuação das negociações com vista ao acordo coletivo de trabalho.

Em 1919, as causas eram semelhantes. A insatisfação do pessoal da CP era resultado dos salários auferidos, a inexistência de segurança social e de subsídio familiar. Foi este o rastilho para a revolta.

A greve do pessoal da Companhia Portuguesa dos Caminhos de Ferro foi longa: durou cerca de dois meses, de julho a setembro, afetando as ligações ferroviárias nacionais, sobretudo na parte central do país e ainda as linhas internacionais. Mas, se em 2018 vivemos um protesto pacífico, naquela altura não foi bem assim.

No início da greve, houve atos de sabotagem, de modo a impedir o normal funcionamento dos comboios e a circulação. Para isso, os grevistas promoveram descarrilamentos em Lisboa e no Entroncamento.

Bomba e escudos humanos

Num dos atos mais graves, houve até o rebentamento de uma bomba na estação do Rossio e relatos de tiros disparados no Entroncamento.

A situação era tão tensa que, para impedir estas ações dos grevistas, o Governo os obrigava a circular num vagão aberto à frente da locomotiva. Estas composições ficaram conhecidas como “vagões fantasma”. A ideia era servirem de escudo no caso de explosão.

Numa notícia da época, na revista "Ilustração Portugueza", lê-se que “são incalculáveis os transtornos e prejuízos de vária natureza, causados por todo o país por esta greve”.

Na altura, os reflexos económicos da greve eram muito imediatos na vida dos portugueses, uma vez que as cidades não chegavam os produtos agrícolas, o que fazia disparar os preços.

O relato da revista "Ilustração Portugueza", com cem anos, é de uma atualidade talvez surpreendente: “E as reclamações das classes, seja qual for a forma sob que se apresenta, nunca mais terminam, porque hoje já não é possível remunerá-las a todas na sua justa proporção segundo um plano, e, à media que melhoram umas, as outras não quere ficar para trás (…).”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joseca
    11 dez, 2018 Brejos do Azeitão 00:39
    Até que enfim que alguém põe ozolhoz num tema tão importante. Parabéns malta, da RR.
  • Luis Ribeiro
    07 dez, 2018 Faro 17:21
    Não tem nada de surpreendente. Se lermos Eça de Queiroz ou pegarmos na Parodia de Bordallo Pinheiro veremos que os temas são em todo semelhantes aos de hoje. Porque, na realidade, a unica coisa que variou foi a ganancia humana na sua escala. Pouco mais que isso.