Siga-nos no Whatsapp

Corpo de Deus. A mais antiga procissão de Lisboa em imagens

08 jun, 2023 - 22:43 • Redação

Ruas da baixa da cidade encheram-se, esta quinta-feira à tarde, com milhares de pessoas para a tradicional procissão do Corpo de Deus, presidida por D. Manuel Clemente.

A+ / A-
Fotos: António Cotrim/Lusa (clique na seta para ver a fotogaleria)
Fotos: António Cotrim/Lusa (clique na seta para ver a fotogaleria)

Uma manifestação de fé no coração de Lisboa que juntou milhares de pessoas. A tradicional procissão do Corpo de Deus saiu esta quinta-feira à rua na cidade que se prepara para receber o Papa Francisco e a Jornada Mundial da Juventude (JMJ 2023), entre 1 e 6 de agosto.

O cardeal patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, presidiu à procissão mais antiga de Lisboa, que teve início pelas 17h00, no Largo da Sé.

Durante cerca de hora e meia, religiosos, elementos das várias ordens e fiéis desfilaram pelas ruas da baixa de Lisboa, numa procissão que foi concluída com a bênção final.

O Papa Francisco convidou todos os crentes a orar pela paz no mundo e em particular na Ucrânia, por ocasião deste dia da Solenidade do Corpo de Deus.

A Solenidade do Corpo de Deus foi instituída pelo Papa Urbano IV, em 1264.

Portugal foi um dos primeiros países a aderir à solenidade.

Em Lisboa, já se fazia a procissão do Corpo de Deus no reinado de D. João I (1385-1433).

A devoção surgiu para “combater heresias medievais” e em particular aquelas que “punham em questão a presença real de Cristo na Eucaristia”, explica o cónego Adélio Abreu, professor de História da Igreja na Universidade Católica e presidente do Cabido Portucalense.

“É neste quadro que começam a aparecer iniciativas eucarísticas que no fundo exprimem o valor do Sacramento da Eucaristia”, adianta o professor, em declarações à Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+